Translate

Quem sou eu

Arquivo do blog

Total de visualizações de página

Seguidores

sábado, 27 de abril de 2013

Efêmeros do pomar!


Um dia qualquer, no fundo do meu eu-quintal o fogo consumiu os galhos da goiabeira, pé de goiabas brancas, dessas bem doces de doer os dentes, aromáticas de dar gosto percorrer o quintal depois das chuvas... Mas ela envelhecera. Seus galhos retorcidos, brocados, desfaleciam a cada outono, quando as folhas ficam mais secas e a cada primavera menos goiabas surgiam... Quase infértil! Então, a questão da utilidade de uma goiabeira que não dá goiabas, que não mais embeleza o dia das crianças da casa... As crianças também cresceram,  já não sobem em goiabeiras. Partiram. Talvez ela soubesse disso e desistira... A folhagem, que antes era um tapete verde  e caramelo, dera lugar ao marrom sem graça, triste, ao som estridente do pisar sobre a secura do tempo, das folhas caídas, da própria vida, talvez...
Então, numa noite qualquer, depois da derrubada, a fogueira, que começou devagar. O fogo parecia não querer queimar aqueles galhos, aquele resto de vida, de histórias, de alegrias e risos em meio à tarde primaveril de longos anos...  Nem o dourado sedutor sobre o fundo noturno conseguira amenizar a perplexidade daquelas horas de fogueira... Horas demoradas e reflexivas... E tudo foram cinzas e nada mais...
 
 krika 27/04/2013

Um comentário:

  1. foto by krika - enquanto as labaredas queimavam o que fora uma vida fotografei uma vida ainda em construção... Hoje outra goiabeira, outras histórias e o ciclo se repete!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sugestão, dicas, blog se alimenta de comentários..rsrs
Se não encontrar a opção de postagem escolha Anônimo e deixe seu nome no comentário!!!
Mas lembre-se, recados ofensivos não serão admitidos!!